Nenhum comentário

6 motivos que estão fazendo seus colaboradores adoecerem

O adoecimento dos colaboradores é um fator preocupante para  todos os envolvidos na gestão de pessoas e medicina do trabalho. Afinal, a ausência de saúde provoca distúrbios das funções físicas e mentais dos funcionários, impactando diretamente os níveis de produtividade e desempenho de toda a equipe.

É preciso trabalhar então, tanto para prevenir a ocorrência de doenças quanto para promover a saúde integral dos trabalhadores. Para cuidar do bem-estar corporativo é preciso avaliar quais são os fatores que levam ao padecimento e desequilíbrio físico, mental e emocional das pessoas. E para te ajudar, neste artigo, apresentaremos os 6 principais motivos que estão fazendo seus colaboradores adoecerem. Confira com a gente!


1. Riscos Ergonômicos

A falta de condições adequadas para que o trabalhador desempenhe suas atividades leva ao adoecimento, comprometendo a saúde física, mental e emocional. Para evitar isto, a ergonomia, ou seja, o estudo das relações entre o homem e seu trabalho busca adequar o ambiente de trabalho para prevenir e tratar problemas de saúde.

Existem diversas alternativas, com efeito comprovado, para promover uma boa ergonomia. Atividades físicas, como a ginástica laboral permitem alongamento, fortalecimento muscular, estímulo a uma boa postura e pausas regulares. A ergonomia além de proporcionar mais conforto ao trabalhador, aumenta a produtividade e afasta problemas graves como o desenvolvimento de distúrbios como a LER/DORT. Acompanhe em nosso próximo item.


2. A incidência de LER/Dort

Cerca de 3,5 milhões de pessoas com mais de 18 anos têm ou já tiveram diagnóstico de Lesões por Esforços Repetitivos (LER) e os Distúrbios Osteo musculares relacionados ao trabalho (DORT) no Brasil, de acordo com a Pesquisa Nacional de Saúde do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) de 2015. Estes distúrbios, são os mais comuns relacionados às doenças ocupacionais, ou seja, doenças que estão diretamente relacionadas à atividade desempenhada pelo trabalhador ou às condições de trabalho às quais ele está submetido.

A LER/DORTs são causadas por excesso de atividades, esforços repetitivos, postura incorreta e uso extremo de força. Estas atividades sobrecarregam o sistema músculo esquelético e assim podem surgir inflamações e dores em locais como pulso, nos ombros, nas costas e outras partes do corpo, desencadeando doenças como tendinite e bursite.

O INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) considera que a LER/DORT aumentam substancialmente os índices como FAP (Fator Acidentário de Prevenção) das empresas brasileiras e os níveis de RAT (Risco Ambiental do Trabalho).


3. Estresse

O estresse é uma condição que compreende a somatória de vários sintomas físicos e psicológicos, como por exemplo: ansiedade, depressão, insônia, enxaqueca tensões musculares e problemas digestivos.

Luís Edmundo Rosa, diretor de Educação da Associação Brasileira de Recursos Humanos (ABRH), lembra que o estresse é um dos principais problemas dos funcionários e é resultado da prática de uma empresa ruim para se trabalhar. Ele alerta que: “O estresse é resultado do quanto eu estou preparado para o trabalho e o quanto exigem de mim”.  Goetzel (2004) analisou as dez condições de saúde mais comuns nas empresas e concluiu que o presenteísmo é “responsável por custos mais elevados com assistência médica do que com absenteísmo, sendo o responsável por “18 a 60% de todos os custos”.

Portanto, O estresse tanto mental, quanto físico retiram o colaborador de seu equilibro e afetam drasticamente seu desempenho. Por isto, as ações que previnam o estresse devem ser prioridade na gestão de pessoas.


4. Ambiente de Trabalho

Trabalhar em um local desagradável cujo o clima é ruim adoece silenciosamente, mas rapidamente o colaborador. A insatisfação diária, se transforma inicialmente em angustia, que vira aos poucos, tristeza e logo gera depressão, estresse e ansiedade.

As empresas que passaram a ser referência em ambiente de trabalho, segundo o guia da revista Exame em parceria com a Great Place to Work (GPTW) – “As melhores empresas para se trabalhar” investiram para transformar o ambiente de trabalho e a saúde emocional e física em vantagem competitiva. A GPTW é autoridade no assunto e é a única empresa global de pesquisa, consultoria e capacitação com uma base de confiança para a construção do ranking dos melhores ambientes de trabalho.

A estratégia destas corporações tidas como “as melhores para se trabalhar” consiste em promover satisfação, para obter retorno em produtividade, criando assim a visão de uma organização mais privilegiada, competitiva e equilibrada.

5. Assédio Moral

O assédio moral aos funcionários é outro fator que leva os colaboradores a adoecerem

O assédio ao colaborador por parte de seu líder pode ser explicado pelo despreparo destas chefias. Um levantamento realizado pelas consultorias LAB SSJ, Clave e Etalent em março de 2013, mostrou que apenas 14,5% dos gestores tiveram algum treinamento formal antes de assumir sua primeira gestão. A arbitrariedade leva o funcionário ao estresse que por sua vez pode desenvolver outras patologias associadas. Afinal, quando o colaborador fica excessivamente exposto a situações de medo e tensão há uma resposta fisiológica do organismo e sintomas de taquicardia, elevação da pressão arterial, insônia, queda do sistema imunológico e ansiedade aparecem. E então, o estresse efetivamente acomete a pessoa e desequilibra os aspectos físicos e emocionais.


6. Hábitos de vida não saudáveis

Segundo o endocrinologista da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM), Josivan Lima, uma rotina sedentária somada a hábitos não saudáveis de vida facilita o desenvolvimento de doenças como diabetes, hipertensão, dislipidemia, infarto, AVC e artroses.

A adoção de uma boa alimentação e exercícios físicos no ambiente corporativo evita que os colaboradores adoeçam e ainda previne o cansaço, a fraqueza, a falta de concentração. E ainda, proporciona maior bem-estar, bom humor, autoestima e torna o trabalho mais produtivo e prazeroso.

Múltiplos fatores podem alterar a saúde do colaborador e levá-lo ao adoecimento, por isto é muito importante buscar sempre medidas que promovam a felicidade e prazer no trabalho, além de saúde e motivação. Promover a ergonomia e programas de prevenção e saúde podem ser boas alternativas para diminuir a incidência de patologias comuns entre os trabalhadores. Por isto, o olhar atento do gestor ou do médico do trabalho responsável pode fazer toda a diferença para o bem-estar dos colaboradores. E escolher ações assertivas e que efetivamente tragam resultado nem sempre é tarefa fácil. Afinal, a empresa espera sempre que os projetos deem retornos reais.

Para implantar as melhores ações em saúde com resultados comprovados conte com a Contrei! Entre em contato conosco! Será um prazer ajudar!

Você também pode gostar

Você também pode se interessar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Menu
Fale com um consultor